Aposentado, mas vivo

Eu estou aposentado desde maio do ano passado, mas estou afastado do trabalho desde que sofri um acidente em 2015.

A cada dia se torna mais difícil manter a atividade rotineira e já começo a evitar tais atividades. Mas ontem comecei a fazer umas sessões de fisioterapia para diminuir a dor que sinto em um dos pés e isto me fez aumentar muito meu nível de atividade. Saio pela manhã para aproveitar a carona da minha mana e depois só volto à noite para aproveitar a carona dela novamente.

É gostoso ter mais atividade, porém é difícil, pois foi para que eu evite atividades que me aposentaram.

É difícil conciliar o desejo com a necessidade e com o ideal.

Mas não é para sempre, são só 20 sessões, então será um mês de mais atividade e depois espero estar bem melhor.

Publicado em critica social

Se é imposto, não é da nossa vontade

Oque chamam de política no Brasil, não passa de uma representação muito ruim feita por atores de péssima qualidade. O pior é que existem eleitores que realmente acreditam nesta fantasia caríssima que os mesmos alimentam.

Agora entramos numa nova etapa da novela política do país em que todos os governantes de todas as esferas descobriram que podem aumentar a quantidade de imposições aos cidadãos e assim nos explorarem sem piedade.

Desde o presidente da República, governadores e prefeitos estão criando novos impostos para conseguir sustentar esta máquina pública que quase nada faz pelo cidadão. 

Aqui em Porto Alegre o prefeito quer impor taxas para cidadãos de outras cidades ingressarem no município, para proprietários de automotores coletivos colocarem comerciais nos seus veículos, para motoristas autônomos transportarem passageiros… O prefeito Marchezan quer taxar tudo oque for possível, alegando que a prefeitura da capital gaúcha enfrenta uma crise financeira.

Para resolver o esvaziamento dos cofres públicos não é necessário sobretaxar o cidadão, bastaria diminuir o tamanho da máquina pública. A prefeitura de Porto Alegre paga milhares de funcionários para fazerem absolutamente nada. Em todas as repartições públicas da capital nós vemos funcionários sem atividade alguma enquanto outros fazem suas tarefas. Nas obras também, existem pessoas que ficam junto com os trabalhadores só para assistirem os mesmos trabalharem. 

Não faz sentido obrigar o cidadão a pagar mais impostos para  cobrir salários de altos valores de funcionários que não funcionam. Também não tem sentido o funcionalismo público ter salários mais altos, mais dias de férias, concessões, menos horas de trabalho e segurança no emprego do que funcionários da iniciativa privada. 

Todo imposto criado é um atentado à liberdade que dizem que o estado democrático nos dá. Se somos livres, deveríamos decidir se queremos ou não, não ter que fazer por imposição.

Quem impõe é ditador, mas nos dizem que não vivemos numa ditadura?!? Então que nos deem o direito de escolher as taxas que iremos pagar! A criação de qualquer tributo deveria passar elo crivo de uma consulta popular. O povo teria que dizer se concorda com a necessidade de arcar com mais um custo.

Publicado em critica social

Envelhecer é um prêmio

Tenho recebido notícias de mortes de pessoas aparentemente saudáveis e estáveis. Quando os falecidos são famosos, nos causa uma certa apreensão. Mas quando são mais próximos,  a gente sente certa tristeza e até um sentimento de perda. Pois costumamos pensar que as pessoas próximas não estão tão suscetíveis a estes males.

Eu já perdi familiares bem próximos e alguns amigos que amava, mas nunca me desesperei (mesmo porque desespero não faz ninguém voltar a vida). Mas eu mesmo passei por uma situação de quase morte e sobrevivi. Oque me faz pensar que existe algum propósito nisto.

Se pessoas aparentemente saudáveis morrem de acidente, de doenças, em crimes… Eu que colidi minha motocicleta contra um ônibus, estive três meses em coma induzido, fiz oito cirurgias, tive que reaprender a viver e ainda estou aqui recebendo estas notícias, só posso ter uma missão ou um dever especial. 

Claro que saber da morte de alguém não é legal, mas me faz sentir que sou sim especial por ter sobrevivido e estar presenciando tudo isso. 

Não gosto de saber da morte de ninguém, mas prefiro saber da morte deles do que eles saberem da minha morte. 

E é claro que morrer é a coisa mais natural da vida, então não é motivo para desespero. Afinal sabemos que todos iremos morrer, inevitavelmente, querendo o não.

As pessoas deveriam aprender que sim, é triste saber que não veremos mais aquela pessoa querida, mas é natural. Desde sempre as pessoas morrem e sempre morrerão. Sentimentos ruins não evitarão que isto aconteça, não farão a situação e nem os ãnimos melhorarem. Apenas aumentam e perpetuam a dor que nem deveria existir.

Não veja a morte com bons olhos, mas também não a veja como uma estranheza.

Envelhecer é sim um prêmio e motivo para muita felicidade. Poucos conseguem, são pessoas fora de série, detentores de algo especial: 

“Tempo de vida”. “experiência”, “vivência”.

Publicado em critica social

Pôr-do-Sol no Sítio Urutau- Itapuã, RS- Brasil

Site que criei hoje para compartilhar imagens que considero bonitas, agradáveis e de grande importância para mim.

via Pôr-do-Sol no Sítio Urutau- Itapuã, RS- Brasil

Citação | Publicado em por

Amas o calor?

Pensando um pouco sobre oque certas pessoas costumam dizer e como costumam agir, vi que há uma grande negação à verdade em algumas alegações que determinadas pessoas fazem.

É bem normal nos dizerem que adoram o calor, mas estas mesmas pessoas quando veem o menor sinal de aumento na temperatura começam a tirar as roupas, procurar a sombra, beber líquidos gelados e pensar em banhos de piscina para se refrescarem.

Mas pera aí! Elas não gostavam de calor? Deveriam sim é colocar casacos de lã, se expor ao Sol e desligar os ventiladores. Pois se não fizerem isso estarão combatendo oque dizem gostar!

Sim, é isso. São mentirosos e nem um pouco confiáveis as pessoas que dizem gostar do calor. O ser humano não foi planejado para viver em ambientes muito quentes, pois devemos manter a temperatura do corpo estável e se nos expusermos demais ao calor, não conseguiremos.

As pessoas gostam de cerveja, sucos, banhos gelados, ventiladores, não do calor! Mesmo porque calor se consegue em qualquer clima e qualquer época do ano. Para isso existem roupas, sopas, fornos, estufas, condicionadores de ar….

Se tu estiveres de bermuda, roupas leves, tomando refrigerantes gelados e sorvetes, ao ar-condicionado ou em frente a um ventilador, saberei que odeias o calor. Independente das besteiras que disseres!

Publicado em critica social

Grande mundo pequeno

O mundo está menor e ao mesmo tempo parece muito maior. Fronteiras são coisas de animais irracionais que lutam pelo controle de áreas que não criaram, não possuem e não manterão para sempre…

Hoje comprar algo da China ou dos USA pelo celular é mais barato e rápido, além de ser muito mais fácil e prático que tomar banho, se vestir, se alimentar e ter que fazer gastos para se transportar até o centro ou o shopping para adquirir o que precisa.

Só não somos cidadãos do mundo ainda devido à política que nos separa, desune, enfraquece, discrimina e nos faz acreditar que temos diferenças dos nossos irmãos que moram ao lado.

Dinheiro eletrônico, comércio eletrônico, cursos online, tem de tudo oque precisamos na palma de nossa mão. Hoje conversamos com alguém de outro idioma sem precisar aprender, apenas utilizando um smartphone. 

Já é hora de nos livrar das fronteiras físicas, psicológicas e mentais que nos limitam a pensar que somos de algum lugar. Somos de onde quisermos ser, somos de onde pudermos ir.

Patriotismo é uma selvageria. É o mesmo que fazem os animais irracionais que se matam para defender o território de caça. Só que não precisamos disso, pois nós cultivamos nosso alimento, não necessitamos disputar o mesmo com nossas vidas. 

Deveríamos nos livrar das políticas que nada são além de amarras desnecessárias.

Sejamos livres!

Publicado em critica social

Aníver da Manu

Hoje fazem cinco anos que nasceu minha netinha Manuela. Desde então minha vida tem sido bem diferente do que costumava ser, faço coisas diferentes, sinto coisas diferentes e tenho objetivos bem diferentes.

Aconteceram coisas muito importantes e até decisivas na minha vida desde o nascimento da minha netinha. Sofri um acidente gravíssimo alguns dias depois de ela ter nascido, precisei fazer algumas cirurgias e fiquei um tempo em coma. Esses acontecimentos não tem a ver com o nascimento da Manu, mas a data faz eu lembrar de um recomeço na minha vida. É uma data feliz, sou muito grato a Deus pela família que tenho e pelas alegrias que me proporcionam.

Logo será o aniversário do Jonathan, meu netinho. Não poderei participar da festinha dele este ano, mas é uma criança maravilhosa e estamos muito felizes.

Deus me deu minha vida de presente, me deu minha sobrevivência e mais essas dádivas. Sou muito grato.

Publicado em critica social